Com o objetivo de proporcionar aos cotistas a valorização e a rentabilidade por meio de transações envolvendo ativos imobiliários estressados provenientes de esteiras judiciais e retomados por bancos – uma classe de ativos tradicionalmente inacessível, opaca e ilíquida, o fundo de investimento imobiliário (B3: ROOF11), atuante nesse mercado adquire propriedades por um valor descontado e, após regularizada a situação, os imóveis são vendidos por um valor maior, mas ainda abaixo do valor de avaliação de mercado.

Os ativos são diversos e podem ser frações ideais ou imóveis urbanos em sua integralidade, como casas e apartamentos residenciais, terrenos e lotes localizados no Estado de São Paulo. A proptech ROOFTOP, consultoria imobiliária especializada do ROOF11 pré-seleciona os imóveis para aquisição do fundo, mas é preciso que se enquadrem em alguns critérios, como:

  • Propriedade ou posse esteja sob discussão administrativa ou judicial;
  • Cujos proprietários tenham problemas de crédito ou liquidez, sejam réus em ações judiciais;
  • Cujos proprietários tenham processos administrativos de qualquer natureza, inclusive fiscais e trabalhistas;
  • Imóveis que estejam em processo de recuperação judicial, falência, liquidação judicial ou extrajudicial, insolvência civil, intervenção ou outros similares;
  • Imóveis que estejam sujeitos a ônus reais ou outros gravames contratuais, legais, judiciais ou administrativos, inclusive penhoras, arrestos, arrolamentos ou indisponibilidade;
  • Imóveis que sejam adquiridos em leilões ou vendas judiciais, ou em processos de execução judicial ou extrajudicial, recuperação judicial ou falência;
  • Ativos imobiliários que de outra forma estejam sujeitos a dúvidas ou dívidas que prejudiquem sua liquidez ou avaliação;
  • Imóveis que possuam pendências documentais ou de registro de qualquer natureza;
  • Ativos originados de carteiras imobiliárias de instituições financeiras (bancos) e que tenham alguma das características mencionadas nos itens acima.

De acordo com o relatório de performance de vendas iniciais de parte dos imóveis do portfólio do fundo. Com essas vendas, a ROOFTOP retornou 48% em capital aos investidores do fundo ROOF11 até o momento. As vendas em conjunto, apresentaram uma TIR líquida superior a 33%, representando um desempenho significativo em relação à subscrição e ao mercado. 

O veículo desempenha um papel importante para a sociedade, que por um lado provê liquidez de capital para credores em disputas judiciais, colocando fim às essas disputas, e por outro lado revitaliza e restaura os ativos imobiliários adquiridos que antes se encontravam com pendências jurídicas, financeiras e castigados por falta de zelo e manutenção. Assim, uma vez regularizados, os imóveis são ofertados ao mercado a preços atrativos já livres de suas pendências passadas, resultando em ganho de capital aos financiadores da nossa operação cursada por nossos fundos imobiliários.

Afirma Daniel Gava, CEO da ROOFTOP.
(Visitas 71 , 1 visitas hoje)
Close